Educação Política — 17 janeiro 2014

Acaba a Guerra, Lincoln está morto, começa a opressão contra os sulistas. 

(Por/J.Coutinho:.)

  • Plantação de algodão antes da guerra…

Nunca mais os Confederados veriam suas fazendas como eram.

Os Resultados da Guerra: Mais de 600.000 pessoas foram mortas durante a guerra civil. Destas , apenas 200.000 morreram em combate; as outras foram vítimas dos bombardeios ou das epidemias; e o prejuízo da guerra foi quatro vezes superior o valor dos cerca de 4 milhões de escravos do país.

O Sul dos Confederados derrotados, e suas grandes plantações de algodão uma das principais cultura, ficaram em ruínas, durante os cinco anos de guerra.

Houve uma grande escassez de algodão. Segundo o Gen. nortista Sheridan, “se um urubu voasse do Vale de Shenandoah  até Harpers Ferry, teria que levar seu almoço”. Isso permitiu o crescimento do cultivo de algodão em outros países, inclusive no Norte e Nordeste Brasil.

O Comando político dos Estados Unidos passou definitivamente para as mãos dos industriais do Norte. A escravidão dos negros também acabou junto com a guerra, e com a aprovação do Congresso da 13ª emenda à constituição norte-americana, que agora definitivamente declara ilegal a escravidão.

  • Plantação de algodão depois da guerra !

Vencidos e vencedores

Mas, apesar da boa intenção do Congresso, os negros não tiveram sossego. A discriminação racial é uma chaga vergonhosa que veladamente perdura. Nos Estados do Sul, por exemplo, alguns extremistas Confederados criaram após a guerra, a organização racista Ku Klux Klan,  que até hoje defendem a superioridade dos brancos. Na verdade ainda seriá necessário um século para que as leis norte-americanas garantissem direitos iguais aos negros em todo o país.

Link:direitos-civis

Os fazendeiros do Sul, com suas terras devastadas, sem escravos, sem animais para o trabalho, sem criações, oprimidos com a situação… Suas fazendas eram apenas terras sem valor. Aqueles que conseguiram produzir alguma coisa não acharam para quem vender. O Governo primeiramente foi dar atenção aos que lutaram a favor da União.

Ku_Klux_Klan_members_march_down_Pennsylvania_Avenue_in_Washington,_D_C_

Os Confederados estavam humilhados; com isso, veio a revolta de ter que recomeçar sem nenhuma perspectiva a curto prazo; sem contar as ofensas sofridas veladamente pelo assassinato do presidente Lincoln, por um Confederado.

No decorrer da guerra a diplomacia dos Confederados buscava apoio, principalmente de nações europeias, sem êxito; os países sul-americanos não tinham muito a contribuir com a guerra norte-americana.

(O Brasil já estava enrolado com a Guerra do Paraguai. A guerra estendeu-se de dezembro de 1864 a março de 1870, com cerca de 400 mil mortos, sendo considerado o maior conflito internacional da América do Sul.)

No final da guerra, os sulistas não tinham o mínimo necessário de bens de consumo para que um ser humano pudesse sobreviver com alguma dignidade. 

Os soldados sobreviventes Confederados, derrotados, empobrecidos, “desnorteados” ao voltar para suas casas, encontram suas famílias na miséria, gados, aves, cavalos, não havia absolutamente nada; suas fazendas, suas fábricas, estrada de ferro tudo destruído. 

Só sobreviveu aquele que conseguiu esconder alguma quantia em ouro, porque o dinheiro Confederado não valia absolutamente nada, e ninguém queria comprar terras de confederados.

          O sonho agora é a América do Sul:

Dom Pedro II – Imperador do Brasil -**”Mestre Maçom , Grau 23″

“Alguns dos Confederados eram Maçons”, quando ficaram sabendo que no Novo Sul, haviam terrenos não urbanizados por 22 centavos de dólar o acre, e o seu Imperador era um Irmão “*Mestre Maçom”, e que nesse Novo Sul o algodão era melhor do que o da America do Norte; não perderam tempo; mesmo com o pedido do General Robert Edward Lee para os Confederados não se mudarem para o Brasil, eles não lhe deram ouvidos; empacotaram tudo o que lhes restaram e deixaram o seu país, com muita disposição tipica dos pioneiros corajosos trabalhadores valentes: o Brasil vos espera, o Brasil vos abraça !

Há relatos de que 154 famílias, em sua maioria de Maçons, no ano de 1865 iniciaram a migração para o Estado de São Paulo; essas famílias eram procedentes do Alabama, da Carolina do Sul e também do Texas.

Nos próximos dez anos vieram, não só para o Estado de São Paulo, mas também para outros Estados do Brasil cerca de 4000 pessoas, alguns grosseiros, porém trabalhadores fortes e competentes; muitos outros, cultos, com um alto nível intelectual e profissional: Posso afirmar que os Confederados mudaram a História do Brasil.

William Hutchinson Norris – 25 de setembro de 1800 USA – 13 de Julho de 1893 em Santa Bárbara d’Oeste- SP.Brasil

Entre os Confederados que chegaram por estas paragens, o mais comentado, sem dúvidas foi o Coronel William Hutchinson Norris, um  estadunidense, que chegou ao Brasil em 27 de dezembro de 1865, no porto do Rio de Janeiro e foi o primeiro emigrante norte-americano a pisar neste país.

(No Brasil havia alguns comerciantes principalmente ingleses, escoceses, americanos, e outros).

O Coronel Norris era advogado, e político, veterano de guerra, sendo Senador pelo Estado do Alabama, e um grande líder da Maçonaria naquele país, trazendo consigo 30 famílias de Confederados.

Com toda essa bagagem foi fácil o entendimento entre ele e o Imperador Dom Pedro II, no entanto o maior incentivador foi o Maçom Tavares Bastos, fundador da sociedade de imigração, e que também era um confidente do imperador do Brasil.

O Coronel trouxe uma pequena quantia em ouro que ele havia economizado, e guardava enterrado. Quando eles cavavam para retirar o Tesouro, foram interceptados e impedidos de continuar cavando por um oficial da União; mas não tiveram maiores problemas porque o oficial também era Maçom, e que foi imediatamente reconhecido com tal pela esposa do Coronel. (Dizem que ela conhecia Maçonaria tanto quanto seu marido, e ela trocou alguma palavras etc. com o oficial, e que imediatamente os trabalhos foram reiniciados e o Tesouro retirado.)

1906 – Parte baixa beirando a Estrada de Ferro e o Rio Quilombo

A migração dos sulistas Confederados, foi de pura espontaneidade, com um mixto de revolta e de revanche, aproveitando a corrente favorável logo depois da Guerra Civil nos EUA. O Imperador Dom Pedro II, através de seu agente em Nova Iorque, Quintino Antônio Ferreira de Sousa Bocaiuva (Quintino Bocaiuva), no sentido de promover a tão propalada imigração anglo-saxônica, alardeada como necessária e benéfica aos interesses nacionais por membros do Partido Liberal “também no sentido de trazer novas cabeças para que o Brasil tivesse em sua cultura mais uma linha.” Abriu as portas da Nação para receber esses estrangeiros. Um dos destinos dos imigrantes nova-iorquinos, ingleses, irlandeses, foi Brusque na colônia Dom Pedro II, em Santa Catarina, aos imigrantes sulistas foi oferecido terras onde hoje é o bairro de Brás, e também para o ABC. Muitos outros se estabeleceram nas colônias de Santarém, Linhares, Iguape, etc.

Porém, o Coronel  William H. Norris, não achou aquelas terras interessantes; comprou um “Carro de Boi” e se aventurou pelas estradas de Campinas, vindo se estabelecer, onde hoje estão as Cidades de Americana e Santa Bárbara do Oeste. 

 

Americana – Orgulho do Brasil – Confederado

Em resumo: de posse do seu pequeno Tesouro, o Coronel Norris comprou 500 hectares numa comunidade nova próximo a casa sede da Fazenda Machadinho e do Ribeirão Quilombo, onde fincou seu nome com muito trabalho.

O Coronel, muito experiente, com  65 anos de idade não perdeu tempo, enquanto muitos nessa fase da vida prefere a cadeira de balanço, com o Coronel foi totalmente diferente ele deu inicio a uma comunidade que se tornaria uma das mais importantes cidades do Brasil, a Cidade de

 ” A  M  E  R  I  C  A  N  A ” que juntamente com a Cidade de Santa Barbara do Oeste, se tornaria o maior assentamento de Confederados fora dos Estados Unidas da América do Norte; essas  duas cidades estão localizadas:

- Americana à noroeste da capital do Estado de São Paulo, distando desta cerca de 126 quilômetros.

- Santa Bárbara do Oeste à noroeste da capital do Estado de São Paulo, distando desta cerca de 138 km.

Essas duas importantes cidades brasileiras localizam-se no Sudeste do Brasil, cerca de  900 Km de Brasília.

Link: Americana -BR. Pátria dos confederados – Guerra de Secessão 1/5

Link: Americana -BR. Pátria dos confederados – Guerra de Secessão 4/5

https://pt.wikipedia.org/wiki/Imigra%C3%A7%C3%A3o_estadunidense_no_Brasil

- A Fantástica artista, Rita Lee Jones -Nascida na capital paulista, Rita Lee é a filha mais nova do dentista ( Maçom) Charles Fenley Jones, (de Americana) e de Romilda Padula Jones (de Rio Claro), Seus pais tinham outras duas filhas: Mary Lee Jones e Virgínia Lee Jones.

- O sobrenome ”Lee “ que o Sr. Charles Fenley Jones deu às suas filhas é uma homenagem ao mais famoso general da Guerra de Secessão americana,  General Robert Edward Lee.

* Dom Pedro II, nunca foi membro da Maçonaria – seu pai, Dom Pedro I, foi Maçom, chegando ao posto de “Grão Mestre”

** Apesar de nunca ter sido membro da Maçonaria, Dom Pedro II, por ser o Imperador, foi “homenageado” como Maçom de Grau 23, em Recife-PE. Sem mais detalhes!

Bandeira dos Estados Confederados da América do Norte

Bandeira de Americana -Sp -BR.

Hino de Americana

 Letra e Música:

         Ivanfly Bueno Quirino  Arranjo: Antonio Carlos Neves                                            

Nascida, às margens do Rio Quilombo,
Junto à estrada de ferro,
Por entre as terras de Machadinho,
Os homens bravos prosperam!
O Imperador proclamou,
Uma estação coroou
À luz que Ignácio Correa Pacheco,
Um povoado formou,
Já habitavam,
Por estas paragens,
Muitos dos confederados
Que nos trouxeram
O trole, a melancia
O algodão e o arado.
E o progresso chegou,
Qual despertar do amanhã,
E os teares tecidos teciam
A Princesa Tecelã…

Vida, lida…
Ah, Como a vila cresceu!
Vida, lida…
Uma cidade apareceu!

Vida, lida…
O parque têxtil surgiu!
Brilha, Americana,
A cidade que veste o Brasil!
Filhos de Carioba,
Salto Grande, Machadinho,

Filhos da Palmeiras…
Paulistas são os seus filhos,
Filhos Brasileiros!

Santo Antonio abençoou,
A liberdade surgiu,
Brilha o povo de Americana
A cidade que veste o Brasil!

Americana,
Cidade Trabalho,
Orgulho desta nação!
Americana,
Que traz no passado
Sua história de grandezas.
Mãe, que eu chamo de chão,
Terra de minha raiz.
Americana é justiça e verdade…
Princesa do meu País!!

Clique aqui e ouça o HINO no formato mp3. (4.030 KB)
    (Por/J.Coutinho:.)

J.Coutinho:.

Compartilhar

Sobre o Autor

admin

(0) Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*



Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>