Educação — 17 janeiro 2014

General  Robert Edward Lee assina a rendição: O Sul está derrotado !

(Por/J.Coutinho:.)

“A derrota na Geórgia colocou os Confederados numa posição muito difícil; o Gen. Lee parecia não ter alternativas senão abandonar Petersburg e Richmond.”

Gen. Grant – lado esquerdo se diz envergonhado por não estar devidamente trajado para este encontro, pede desculpas e cumprimenta o Gen. Lee  elogiando sua elegância.

Voltando ao ano de 1861; a guerra estava relativamente equilibrada. No mês de dezembro o Gen. George B. McClellan foi nomeado comandante das tropas nortista. Pouco depois, incentivado por Lincoln, McClellan começou seu avanço contra Richmond, a capital rebelde. Transportou dodo seu exército pelo mar até a península da Virgínia, a sudeste de Richmond, mas foi bloqueado pelos Confederados em Yorktown.

Com isso os sulistas ganharam tempo para reforçar a defesa de sua capital. A falha do serviço secreto da União atrapalhou a marcha contra Richmond. Todo trabalho de espionagem estava nas mãos da famosa agência de detetives de Allan Pinkerton, que não foi correto quanto a capacidade do inimigo.

Só em maio de 1862 é que McClellan consegui se aproximar de Richmond. Os rebeldes ainda lançaram um ataque mal organizado contra a União em Fair Oaks e foram repelidos. O comandante sulista Gen. Joseph

Gen. Lee

E. Johnston,foi gravemente ferido na ação.

Mas os rebeldes terminaram levando alguma vantagem, pois o presidente Jefferson Davis retirou o General Johnston do comando, substituindo-o por um dos mais competentes oficiais de todo o conflito: Gen. Robert Edward Lee, que daria muitas dores de cabeça a Lincoln. O talento de Lee era reconhecido por todos.

“Ultimas cartadas do Gen. Lee”:

Em 25 de março de 1865, os Confederados tentaram romper o cerco a Petersburg, sem sucesso. Com esse novo fracasso, permitiu que as tropas da União iniciassem um ataque maciço contra a cidade, no dia 2 de abril.

A resistência dos rebeldes foi heroica mas desesperadora. Durante o ataque foi morto o Gen. A.P.Hill certamente um dos poucos comandantes de talento que ainda restava a Robert Edward Lee.

O Exército Confederado da Virgínia do Norte teve que se retirar mais uma vez, agora rumo ao Oeste. Lee ainda esperava unir seus homens com o que restava das tropas do Gen Johnston, mas a cavalaria nortista bloqueou sua passagem. O comandante sulista percebeu que era fim de linha, “não havia outra saída senão encontrar o Gen. Grant” . Lee disse: “pela minha honra , eu preferiria morrer”

O General Lee era respeitado e admirado até mesmo pelos seus adversários. Era comum quando um soldado tinha um fraco desempenho, compararem inversamente ao General Lee.

LeeO terror dos escravos,” ficou muito famoso, quando o líder abolicionista John Brown tinha planos de iniciar uma revolta dos escravos na Virgínia. Em 1859, ele e seu pequeno grupo tentaram invadir o arsenal do governo em Harpers  Ferry. por isso Brown foi perseguido e capturado pelo então Cel. Robert. E. Lee (depois comandante geral dos Confederados). A rebelião dos escravos fracassou e algum tempo depois Brown foi enforcado.

Jackson, o Paredão é ferido mortalmente por fogo amigo.

O patriotismo também era uma outra marca do General: o conflito pôs  em xeque a lealdade dos oficiais cujos Estados aderiram à Confederação. Foi o caso do Gen. Lee. Convidado a dirigir as tropas da União, ele decidiu que a lealdade a seu Estado era mais importante que a lealdade à União. E acabou aceitando o comando das forças rebeldes da Virgínia.

Um disciplinado comandante, Gen. Thomas J. Jackson, que era conhecido por sua capacidade e também por sua arrogância, diziam  que sua tropa era firme como um paredão; esse General ficou conhecido como Jackson “Paredão”. O próprio Gen. Jackson “Paredão chegou afirmar

” Lee é o único homem que eu seguiria de olhos fechados” 

É hora da reflexão:

“Nenhum rancor para com ninguém: caridade para com todos; com a firmeza do Direito, uma vez que Deus nos deixa discernir o que é certo,  permitam-nos  concluir nosso trabalho, curar as feridas da nação, cuidar daqueles que iniciaram a luta, de suas viúvas e de seus órfãos, e fazer tudo que for necessário para alcançar uma paz justa e duradoura, entre nós e no seio da nação”.

(Essas palavras são de um trecho do segundo discurso de posse de Lincoln, no dia 4 de março de 1865)

 

Ao assinar o “Acordo de Paz” o Gen. Lee escreveu:“Lembrem-se de que agora formamos uma só nação. Abandonem todos os ódios particulares e façam de seus filhos americanos” (Robert Edward Lee) 

Mas tranquilo com a vitória; sonhando com uma paz duradoura, Lincoln foi com sua mulher ao  Teatro, era uma Sexta-feira Santa…

14 de abril de 1865 – Teatro Ford – Washington D.C.

- O mais veemente conspirador contra a União, e contra abolição dos escravos nos Estados Unidos, o ator  John Wilkes Booth, não se conformando com a derrota dos Confederados, engendrou um plano macabro contra administração de Lincoln.

Os seus comparsas, por motivos repentinos não tiveram êxito, mas o Booth, segui Abraham Lincoln e disparou mortalmente contra a sua nuca em 14 de abril, no Teatro Ford em Washington D.C.; 9 horas depois, já no dia 15 de abril de 1865 era anunciada a morte do Presidente. Sendo o primeiro presidente dos Estados Unidos a ser assassinado; a nação toda em luto, e o  caos total, é o que esperam os Confederados…   

Após atirar contra Lincoln, John Wilkes Booth fugiu a cavalo para o sul de Maryland. Mesmo com todo cerco, Booth tinha simpatizantes que fizeram vistas grossas, permitindo que doze dias depois, ele conseguiu chegar a uma fazenda no norte rural de Virgínia, mas foi morto no mesmo dia por soldados da União em 26 de abril de 1865.

Link: Americana-BR. Pátria dos confederados – Guerra de Secessão 5/5

Link: Americana-BR. Pátria dos confederados – Guerra de Secessão 3/5

(Por/J.Coutinho:.)

J.Coutinho:.

 

 

Compartilhar

Sobre o Autor

admin

(0) Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*



Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>