Educação Religião Slideshow — 27 agosto 2016

 

” Maçonaria”

“Então se assentaram com ele na terra, sete dias e sete noites. Nenhum lhe disse palavra alguma, pois viram que a dor era muito grande; Jó 2:13 – em silêncio podemos mostrar respeito à Deus”

A  BÍBLIA

 

altar

 

A Bíblia Sagrada reina no Altar dos Juramentos – mesmo que os Trabalhos ainda não tenham sido  iniciados; mesmo assim, Ela é absoluta, pois sua presença ali alude à observância de que algo maior está envolvendo aquele Altar. Logo que for aberta a Bíblia Sagrada, “uma Grande Luz  Irradiará em todo o Templo”, que efetivamente  todos participantes dessa Assembléia terão o seu lado espiritual impregnado com importante facho de Luz “essa Luz retificada que robustece a nossa fé”, e que nos leva ao mais alto plano espiritual onde está edificado o mais sublime de todos os Templos.

(Por/J.Coutinho:.)

 

Abertura da Bíblia no Rito Escocês:

A Maçonaria embora não seja uma Ordem não religiosa e embora não mantenha discriminação religiosa, apresenta em suas práticas ritualísticas muitos resquícios do teísmo especulativo encontrado nas associações formadoras da Maçonaria de ofício; (os “collegiati”, os “magistri comacini,” as associações monásticas, as confrarias leigas, as “guildas,” e os franc-maçons).

Como todas as associações floresceram nas Igrejas medievais, ou à sombra dela, explica-se o caráter teísta (embora atenuando), imprimido à moderna Maçonaria.

Uma das práticas relativas a esse teísmo é a presença da Bíblia sobre o Altar dos Juramentos, admitindo-se, todavia, outros livros considerados sagrados para outras religiões (o Corão para os islamistas, o Zend-Avesta para os hinduístas, etc.); para os judeus, o livro sagrado é a Torá, que engloba os cinco primeiros livros bíblicos ( Pentateuco), ou seja: Gênesis, Êxodo, Números, Levíticos e Deuteronômio. (Em Santa Bárbara do Oeste – SP. a Loja Maçônica Lealdade e Harmonia Barbarense, Nº 521 admite em seu Altar a Bíblia, o Corão e a Torá).

A exigência da presença da Bíblia sobre o Altar dos Juramentos partiu da Grande Loja Unida da Inglaterra ( fusão da Grande Loja de Londres  com a Grande Loja de York em 1813), que adotando o ritual dos “Antigos” de York (rito de York) preconiza a simples presença da Bíblia, não sendo necessária a sua abertura em locais definidos.

Nos demais ritos teístas tais como o Rito Escocês, Schroeder, Adoniramita, etc.; todavia, o chamado L:. da L:. deve ser aberto num lugar apropriado, de acordo com o grau em que funciona a Oficina.

O R:.E:.A:.A:., nascido na França, por séquito dos Stuarts, que lá se refugiaram após a revolta liderada por Oliver Cromwell, na Inglaterra, embora mantendo um teísmo muito similar ao Rito de York, exige a abertura do L:. da L:. num local determinado e a leitura dos Versículos por um Past-Master com assento no Oriente, ou, na sua falta pelo Ir:. Or:. da Loj:..

Embora nas LLoj:. brasileiras  do R:.E:.A:.A:. a abertura do L:. da L:. seja feita no Salmo 133 da (da fraternidade), essa prática não está de acordo com as normas do Rito, pois, no verdadeiro escocesismo, a abertura correta é no Evangelho de São João, lendo-se os versículos 1, 2, 3, 4, e 5 do capítulo I, como segue:

“No princípio era o Verbo e o Verbo estava junto de Deus e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio jundo deDeus. Tudo foi feito por Ele e sem Ele nada foi feito. nele havia vida e a vida era Luz dos homens. A Luz resplandece nas trevas e as trevas não a compreenderam” .

Esse texto não entra em atrito com nenhuma das religiões  maiores pois, é uma verdade monoteísta comum a todas elas; nem mesmo afronta o judaísmo que não aceita o Verbo encarnado com Jesus, mas, apenas o Verbo revelado.

Assim, não pode existir qualquer entrave à correta abertura do L:. da L:. em São João ( no Gr:. de Apr:.), de acordo com o original R:. E:., cujos antigos rituais assim determinam.

A abertura do L:. da L:. no Salmo 133 é um costume originado no Brasil, não tendo similar em qualquer outra parte do mundo em que se pratique o Rito.

Em suma; é uma invenção  que alguns afirmam ser desastrosa quanto aquela que fazem os Diáconos nas Grandes Lojas; que devem ficar normalmente em pé sem fazer o pálio, e não cruzarem os bastões durante a abertura do L:. da L:.; essa pratica faz parte do Rito de York, mas, nunca do verdadeiro R:.E:.A:.A:., cuja pureza está se perdendo através dos tempos.

(Já os Diáconos do Gr:. Oriente que também TTrab:. no R:.E:.A:.A:. nem mesmo fazem uso dos bastões, o que também não é bom e tira  beleza da parte ritualística.)

“Um Ritual bem executado além de trazer harmonia, sugere respeito paz que une muito mais os IIr:. em torno do progresso da nossa Sublime Ordem.”

(J.Coutinho:.)

Biograf: José Castellani/ A Verdade 236/41
Budè – Maçonaria byheart
 (Edit. adaptado/J.Coutinho:.)

 

torahLivrodaleiimagesCARV11XJ

Compartilhar

Sobre o Autor

admin

(0) Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*



Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>