Educação Saúde Slideshow — 08 janeiro 2017

Os personagens, os fatos e as datas aqui citadas são todos verdadeiros, também a historia do Pinduca cujo o apelido também é verdadeiro; os dois interlocutores; Srs. Eduardo de Ataíde e Adilson de Assis Siqueira, há apenas diferenças nos nomes, para preservar as suas identidades.

(Por/J.Coutinho:.)

 Maldita ponta de cigarro !!!

Alguém fumou aqui; o cheiro tá insuportável !  eu sou alérgico ao tabaco; eu preciso achar onde está essa ponta de cigarro.

Eu já pedi para que ninguém faço o uso de cigarros nesta área; não temos boa ventilação, existe um bom lugar há 1000 km daqui, muito espaçoso, com certeza lá é melhor pra fumar; não tenham pressa de voltar, se errarem o caminho de volta ninguém vai reclamar, pode demorar bastante lá.

O senhor  Eduardo de Ataíde, ficou tão nervoso que demorou para iniciar a reunião dos trabalhos daquela entidade beneficente naquela tarde, dizendo repetidamente:  

                                                  

 

                               Será que não viram os cartazes?   Será que não viram os cartazes de proibido fumar? ”                                                                                                                                                                                         

                                                                                            

O secretário da Entidade visitante, o senhor Adilson de Assis Siqueira, começou  contar algumas passagens da sua vida; a conversa ficou cada  vez mais descontraída, e ele para agradar e apoiar o senhor Ataíde contou-lhe essa História.

História de um fumante

 

Um amigo de infância tinha alguns  dedos da sua  mão direita amarelados por conta de quem estava sempre a segurar um cigarro; coisas dos anos 60/70, mais nem todos o garotos daquela época exibiam cigarros perante os mais velhos, principalmente na frente dos pais.

Cada grupinho tinha o seu esconderijo; para o cigarro, o fósforo e os “catecismos” (revistas proibidas) rsssss. Esse amigo  fazia questão de  exibir o cigarro entre os dedos, mas nem sempre o dito cigarro estava aceso; o vício ficou tão grande que ele preferiria tê-los  à mão pra não correr o risco de ficar à procura no momento que o cérebro exigisse.

Esse carinha, não teria outra sorte, a não ser um fumante. É que no seu caso, o problema do vício por pura ignorância e egoismo,  já estava dentro da família, ao contrario de alguns que encontravam o vício entre seus pares.

Então; nas tardes dos sábados, na capital do estado de São Paulo, lá pelas bandas do bairro da Penha, fazíamos sempre os famosos grupinhos de garotos 14 a 16 anos aproximadamente para discutir os filmes e os seriados que seriam exibidos nos Cinemas; Júpiter, penha Palace e Penha Príncipe.

Para os mais jovem que não têm ideia do que eram os “seriados”,  esses,                                                                            eram filmes exibidos em capítulos, com pequena duração; uma atrações especiais nos cinemas daquela época antes de começar a sessão do filme principal, visto que pouquíssimas pessoas  tinham aparelho de televisão  dentro de casa, e somente “em preto e branco” quando não eram só em preto ou só em branco.

Por isso, os cinemas adiantavam a programação, e logo cedo o pessoal já estava na portaria lendo os cartazes ou jogando conversa fora, mas, de olho na menina que raramente estava desacompanhada, rsssssss.

Eis que, numa daquelas tardes de sábado surge caminhado em nossa direção um garotinho; cabelos bem peteado, (de um jeito pouquinho diferente), calças compridas com vincos bem marcados, sapatos lustrosos camisa com mangas longas arregaçadas, e fumando desajeitadamente; e vez em quando; cuspindo de lado.

Quando o “artista” veio se aproximando da turma, vimos quem era o “personagem”  inesperado; ÓOOOOh !  Pinduuuccca ? sou eu mesmo !  kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Tá maluco meu? cuidado com o juizado de menores (era o terror essa palavra); o Pinduca aparece com um maço de Hollywood no bolso da camisa, um cigarro fumegando entre os dedos  e na outra mão,  um isqueiro cromado fazendo aquele barulho de clakc  clack ao abrir e fechar, “coisa de cinema”.

 

Agora já sou adulto” vou ficar com vocês, minha mãe disse: lugar de homem é na rua; comprei pra você este cigarro e este isqueiro, pois, “homem que não fuma não é homem, e você já tem 12 anos“, (parece piada mas não é), e ele devagarinho foi se aproximando, até que ficamos adultos, e ele adulto precoce mesmo.

Mas tarde a gente passou a perceber o motivo pelo qual levou a mãe do Pinduca fazer a sua emancipação; ela tinha muitas companhias aos  finais de semana.

É por esses e outros motivos que o vício envolve a família, deteriora a sociedade e destrói uma nação.  Depois de alguns anos, cada um foi tomando o seu rumo.

O Pinduca se mudou de cidade e a vida continuou, mas não ficou fácil não, de repente; veio a depressão com  repressão, e tivemos que aprender a falar baixinho, andar com atenção, e no máximo em dois, pra não ir pro calabouço; era o ano de 1968 / Chegou o AI 5. !

Com certeza há milhares de Pinducas por aí;  ”agora não só com cigarros convencionais”, ditos lícitos, mas sim; drogas pesadas que rapidamente envolve o garoto(a) sabido(a), experto, e logo toma conta do seu cérebro levando-o(a) a fazer parte do exército de zumbis à vagar ao léu, até que aconteça um milagre do túnel do tempo; ou mesmo, o de uma morte precoce para o alívio daqueles que lhes queriam bem;  pois, nesse estágio, a morte não é uma coisa triste não; alivia o personagem, o estado, e sossega os familiares.

____________________________________________________________________________

A Reunião que seria para  discutir sobre uma parceria entre duas Entidades Beneficentes, transformou-se em uma Palestra Sobre o Cigarro e Seus Males, quando o Sr Adilson de Assis Siqueira pediu permissão para contar mais um puco de sua vida e a experiencia que teve enquanto manteve o vício.

A  Permissão nem poderia ser negada porque a chuva paulistana pegou todos de surpresa, e por conta do mau tempo alguns associados ficaram impossibilitados de comparecer e não seria possível começar uma discussão de tal interesse sem que a equipe estivesse completa.

Fizeram uma pequena pausa para um chá gelado que era um costume nos dias mais quentes do ano.

Então; o sr Adilson de Assis Siqueira dissese fosse antigamente eu iria lá fora pra fumar; sempre que eu tomava qualquer coisa; chá, café, chocolate até um refrigerante eu tinha que dar uma pitada; mas hoje eu estou livre porque consegui reparar o meu erro.

____________________________________________________________________________

         História do ex fumante sr. Adilson de Assis Siqueira

  Meu cérebro pedia socorro !

____________________________________________________________________________

 

 “Reparação do erro, o caminho de volta”

O Caminho de volta nem sempre é difícil e cruel; é mais fácil e menos doloroso do que receber a visita de um ente querido num hospital, olhar pra ele ou ela e dizer: Eu vou sair dese hospital e nunca mais colocarei essa “poooooorcaria” de cigarro na minha boca.

O problema é que nem todos conseguem concretizar a promessa que fazem quando estão no leito de um hospital, sendo que quase todos que lá chegam, o primeiro quarto é o da U.T.I. ou  C.T.I.  como dizem em algumas cidades.

 

Quem quer parar de fumar ?  Sem gastar um centavo a mais; pois, já começa gastando menos, sem ficar doente, sem incomodar quem está ao seu lado e ainda ficar mais feliz e fazer quem você ama muito mais feliz, quem quer ?
Quem quer respirar melhor, voltar a sentir o sabor dos alimentos e das delicias da vida, com mais saúde?
E você ainda vai ganhar disposição pra tudo; aquela disposição que sem perceber você foi perdendo quando começou a fumar; tudo isso sem pagar nada, quem quer ?

Só quem pode lhe ensinar é alguém que sabe;  é quem conhece a laranja por inteiro; não só a doçura do suco, a cor e o aroma; mas também alaranajeira.

 

Vamos relembrar uma discussão entre um consumidor de laranjas, um vendedor de laranjas e um  agricultor produtor de laranjas.

 

Qual é a melhor laranja?

Para o cliente é aquela que lhe der um bom suco e que não seja muito caro; para o comerciante é aquela que der mais lucro, e que possa agradar o seu cliente; para o agricultor é aquela que agradar os três;  mas somente o agricultor será capaz de agradar os três, pois, ele sabe como plantar, como cuidar e quando colher.                         (é um teste de paciência mesmo!)

Quem quiser parar de fumar, não tem que ir atrás de milagres nem tampouco de baboseiras de comerciais de TV, cujo negócio é vender produtos, que apenas substitui o vício do cigarro pelo vício do vício !

Como é que uma pessoa começa a fumar? Há várias maneiras de ser tomado pelo vício:  Predisposição e disposição, tentação e a vontade que o jovem tem da experimentação de tudo que o é polêmico.

Há pessoas que por herança genética já traz uma carga do vício no sangue popularmente falando; para essas, é só uma questão de tempo até que dê de cara com a nicotina, e mais alguns dias o “cachorro começa correr atrás do rabo”.

O cachorro correr  atrás do rabo?

O que é que  isso tem a ver com o vício do cigarro ?

É só relembrar quando você fumou pela primeira vez. Você deu uma fumadinha, bem pouquinho, o seu cérebro acordou, epa! o que é que passou por aqui? – Já começa a ficar alerta; num belo dia você dá uma fumada mais forte; tosse fica tonto(a) tem ânsia de vomito, um mal-estar e um gosto ruim na boca, mesmo assim você nem liga pois, no começo tudo e festa.

Se você conseguir desvencilhar-se do cigarro bem no começo, sorte a sua, se não; você vai tentar mais uma, duas, três vezes, até que o seu organismo exija que você fume.

É porque você jogou veneno (nicotina) na sua corrente sanguínea e o seu cérebro liberou um alerta para que o seu organismo fabricasse um antídoto para combater aquele veneno.

Sendo assim; o seu organismo começa a produzir o antidoto para combater o mal, e mantêm o antidoto na defensiva para que o seu organismo não seja tomado de surpresa  -  mas, quando você demora para  fumar o antidoto começa a fazer efeito contrário, e o mal-estar agora fica por conta da falta do veneno (nicotina) e você tem que sair igual um doido até debaixo de chuva na madrugada para comprar cigarros.

É assim que o cachorro começa a correr atras do rabo.

Se você for ao seu médico, com certeza ele irá lhe recomendar que deixe o cigarro; ele como sempre bem intencionado, pode lhe receitar esses tais remédios que “ajudam” mas, você tem que ter muita força de vontade e gastar algum dinheiro, e seu estomago pode não gostar; sua pele pode não gostar; e você pode ficar dependente dos três.

É por esse motivo, que as pessoas que procuram uma maneira de parar de fumar, na maioria dos casos apenas se enrolam ainda mais, e dão dinheiro às empresas de “produtos” que nem sempre merecem ser mencionados.

Se você for poderoso(a) se achar potente para encarar desde o começo, vá em frente, junte-se àquele(a) que pararam de fumar sem tratamento especial algum, apenas mudando alguns hábitos, coisas corriqueiras.

Eu por exemplo; comecei igual a maioria; uma pitadinha aqui, outra pitadinha ali; até acostumar foi divertidamente terrível; a gente queria aprender tragar e não sabia, era uma loucura.

O tempo passou, e comecei ver que pessoas morriam por ser fumante; comecei a me questionar: Qual seria o motivo pelo qual eu estava fumando?

Eu fumava pouco, nunca havia fumado mais que uns 20 cigarros ao dia, mas  por conta dos “serrotes” (aqueles que pedem cigarros aos outros, também eram chamados de se-me-dão);  todo dia ia um maço e meio de ST. Moritz, cigarro caro pra dedeu !

No meu trabalho precisei mudar para um departamento que não era permitido fumar naquela área; eu notava, que quando eu entrava em um outro departamento que pessoas fumavam, o odor era terrível, e comecei a ficar preocupado e pensei ; preciso parar de fumar.

Então; me lembrei do que o Professor Ubaldino ( um jovem médico que nos dava aulas de Ciência num curso supletivo, no Parque Dom Pedro II , na área central da capital paulista) nos disse sobre o cigarro e seus males; e ele disse o seguinte: Não tem saída, ou você joga o cigarro no lixo, ou se prepare pra ter algum tipo de doença cardiorrespiratória.

Mas porque eu nunca me esqueci daquela aula? Em primeiro lugar o professor era ótimo, e em todas as aulas ele trazia novidades.

Nesse dia que ele iria falar sobre o cigarro, ele chegou com um conjunto de aparelhos cobertos, com um certo ar de mistério, que depois vimos que continham dois pulmões; um todo escurecido e murcho e outro rosado e perfeito; e ele mostrou a diferença entre os que fumam e os que não fumam, e aquilo ficou no meu subconsciente graças a Deus.

Eu, mesmo sem ser um grande viciado joguei fora no lixo o maço contendo cigarros ao menos por três vezes;  e depois, comprava outros e  dizia pra mim mesmo: Deixa pra lá, um maço de cigarros não é muito, conheço muita gente que fuma bem mais que eu; eu fumo pouco mesmo!

Até que em um belo dia eu conversava com uma pessoa e a nossa conversa foi interrompida porque a pessoa estava sem cigarros, e ele só fumava  daquela marca, (forte) e preferivelmente sem filtro, e precisava comprar depressa,  eu falei comigo mesmo:  Meu Deus, já pensou se eu ficar assim?

Dessa vez me lembrei do Professor explicando de como é que se adquire o vício; e eu com meus botões pensei; já que não consegui jogando o maço no lixo; vou inverter o vício fazendo um caminho de volta. 

Então; comecei mentalizar de como eu iria inverter o vício, e a me preparar pro desafio de fazer o caminho de volta fazendo da maneira que eu explico a seguir e que já orientei várias pessoas a se libertarem desse vício que alguns acham elegante, porém é Terrível !

“Há vários motivos; cada um tem a sua  historia, cada história a sua causa. – Algumas pessoas pararam de fumar porque não queriam perder o namorado(a); a força do amor liberta. – Outas pessoas disseram que pararam de fumar porque perderiam o emprego, a necessidade as libertaram.”

Uma senhora disse: Se eu continuar fumando não terei dinheiro pra comprar o leite do meu bebê; o amor de mãe a libertou.

O Senhor Afrânio Augusto de Almeida, administrador de empresas  ficou assustado quando os seu filho pequenino ainda aprendendo a falar disse ao vê-lo com um cigarro na boca: Pai, fuma fuma fuma; ele disse que a partir daquele dia tomou coragem por conta do mau exemplo que poderia dar aos seus filhos, e nunca mais os seus filhos viram um cigarros dentro de casa.

Com o método que eu lhe ensinei, seis meses depois ele já havia deixado de fumar; os seus filhos foram os seus heróis.

 

Existem pessoas especiais, que tem mais resistência à nicotina e o efeito negativo chega mais tarde, e pode chegar com menos problema, parabéns; por isso, alguns podem falar: Pra mim não faz mal; eu estou sempre alerta. Mas se você não se enquadrar nesse grupo, tem que agir o mais rápido possível;  porém, todos terão algum problema no futuro.

Os fatos aqui, foram narrados por pessoas orgulhosas de ter conseguido parar de fumar.

Eu não entendo porque as pessoas fumantes, na sua maioria não se preocupam nem consigo mesmo nem com os outros.

Deixe de sofrer; se você tiver força de vontade, vai ver que emergirá uma outra pessoa de dentro de você; e nunca mais você passará por  vexame; nem antes nem durante as “caminhadas”, e ainda vai sobrar fôlego pra nadar, pedalar e desfrutar a vida como se deve.

E por qual motivo a pessoa fumante passa esse tal vexame?

Falando popularmente, é porque a nicotina age sobre os neurotransmissores e bloqueiam os impulsos que o celebro envia para as diversas áreas do corpo; daí aquela frase: Olhar com os olhos e lamber com a testa.

Dizer que 100% dos produtos que prometem fazer um fumante abandonar o vicio não funcionam; eu seria muito injusto, pois nunca testei nenhum deles, mas, por outro lado há vários relatos de quem gastou dinheiro e só se enrolou. Em todo caso, vou dar espaço aqui à uma dessas invenções mirabolantes: veja esses desenhos abaixo…

 

Cigarro eletrônico                       

 

 

____________

 

 

____________________________________________________________________________

Não faremos comparação do funcionamento deles porque estaríamos exagerando; mas, que assusta assusta! Eu acho que esse cigarro eletrônico só funciona para o Cyborg. os seres humanos captam de uma forma muito diferente; abrange os outros sentidos, e uma porção de motivos que tocam em nosso emocional, e desencadeiam uma porção de coisas inexplicáveis que levam uma pessoa a se apegar ao vício, à famosa muleta.

O uso desses equipamentos só servem para você aparecer entre os colegas, gastar dinheiro e poluir mais o meio ambiente, agora não mais somente com os papéis, filtros e fumaça.

Veja como é fácil parar de fumar sem trauma e sem sair da rotina.  ”Passo-a-passo”   deixe o cigarro; não acredita? então vamos ao melhor método que existe para parar de fumar; agora, se você não tiver nenhuma força de vontade, será um pouco mais demorado.

Você não paga nada pra parar de fumar e ainda ganha o dinheiro que deixou de gastar com cigarros e remédios pra você e para aqueles que com você convivem. Então; coragem que vai dar certo, eu garanto a você.

O que é recomendável você fazer :

1º  - Se você puder procure fazer uma limpeza geral em sua casa; lavar cortinas, capa de sofá; para eliminar  qualquer resíduo de nicotina espalhado pela casa; não se esqueça de trocar as fronhas dos travesseiros com mais frequência, se não puder não tem problema. Mas, uma coisa você deve fazer:

Nunca mais fumar dentro de casa, se tiver mais alguém da família que fuma e não quiser respeitar a sua vontade; não desanime, você pode demorar um pouco mais até parar de fumar definitivamente, mas vai falar mais alto a sua força de vontade e de viver mais e com saúde, e ainda servir de exemplo pra os seus familiares.

2º –  É preciso que sua família e visitas saibam que você  está parando de fumar; e que ninguém deve fumar dentro da sua casa.

Esteja preparado para a tentação dos amigos – o que mais você vai perceber é que, quando alguém souber que você está parando de fumar, no ato; virá lhe oferecer um cigarrinho com um aroooooma tentadorrrrrr; seja forte e evite ao máximo, não precisa se indispor porque acabam percebendo que você está falando sério.

3º –  escova e creme dental durante o auto-tratamento; somente depois de abandonar o vicio você poderá voltar  à rotina de escovação dos dentes, da maneira convencional.

4º –  No princípio você vai ter que se superar, com a ingestão minima do café; se possível tome com leite e com pouco açúcar.

Quando você parar de fumar definitivamente, vai perceber que  terá vontade de comer e beber tudo o que é bom; procure fazer com equilíbrio pra manter um bom físico; e você vai voltar a tomar normalmente aquele cafezinho, que terá outro sabor e não vai mais lhe pedir um cigarrinho.

5º  - Ao término de cada refeição ou qualquer coisa doce que você ingerir, onde estiver, vá a um lavatório e dê uma escovadinha superficial nos dentes, superficialmente na boca e não se esquecer de escovar a língua; depois, mais um pouquinho da pasta na escova e faça uma escovadinha rápida e um bochecho com a espuma,  para tirar todo o gosto doce da boca.

(Você ainda é um fumante)

6º  - Quando você fumar procure tragar minimo possível, e se estiver num local que tenha lavatório vá imediatamente, lave as mãos, se possível o rosto também (um passadinha de água) e escove os dentes  conforme mencionado no 5º procedimento, se não tiver meios mantenha a boca umedecida com água ou qualquer coisa que não seja doce; pode ser chicletes sem açúcar.  Você pode comer doces o suficiente, só não pode é ficar com o restos de alimento doce na boca.

Ou seja; quando comer você deve e lavar a boca o mais rápido possível; sem paranoia, se não der no momento não será o fim, mas vai dar certo, você vai ver.

(Tudo coisinhas rápidas) mas, não se esqueça que esse rigor é só necessário enquanto você não parar de fumar definitivamente; quanto você se der contas já nem se lembrará mais do cigarro.

7º - Mas, você ainda é um fumante, mas agora vai saber controlar a quantidade de cigarros que você deve manipular até o fim;  isso já foi feito por várias e vária pessoas, procure fazer mais ou menos igual, e boa sorte.

As pessoas que achei interessantes foram duas que conviviam em encontros quinzenais: A primeira fumava uns 20 cigarros ao dia; ele, um eletrotécnico uns quarenta anos de idade; a partir do dia que começou o auto-tratamento, foi rigoroso; estipulou que a cada semana diminuiria dois cigarro na cota.

Então; a partir de segunda-feira ele pegou um maço de cigarros e só deixou dezoito (18); todo dia ele saía de casa com 18 cigarros; na segunda semana 16; todo dia ele saia de casa com 16 cigarros; na terceira semana 14 etc. etc.  mas nem todos os dias ele fumava toda a cota de cigarros; sobravam alguns, e assim sucessivamente.

Com o tratamento, automaticamente o seu organismo foi pedindo menos nicotina; em nove semanas ele ficou somente com  o maço vazio, esquecido no seu chevette hatch ano 1983, ele só se lembrou quando foi trocar de carro e estava lá no porta-luvas, um maço de cigarros amassadinho lá no fundo, no meio daqueles papéis que costumam-se acumular nos porta-luvas; ele disse que a sua esposa ficou feliz porque ela não fumava e agora os dois não fumam; e rindo disse: Eu agora vou pra casa mais cedo.

8º –  O segundo caso foi uma senhora ainda jovem, uns trinta e cinco anos aproximadamente. Cheguei em uma daquelas manhãs para fazer minha visita de representante comercial em uma empresa num bairro da Zona Norte, na capital do Estado de São Paulo, e vi que ela estava apavorada pois, o seu  novo gerente não suportava cigarros e ela estava com dívidas e não poderia jamais ser demitida.

Então lhe contei que eu havia ensinado a um daqueles representantes a parar de fumar, falei como foi o processo, e passei a ensiná-la também. Depois os dois se encontraram em uma daquelas visitas dele, e ele  dissera estar ensinando outras pessoas também, foi um momento feliz.

A jovem senhora trabalhava na recepção daquela área da empresa, resumindo: Acho que não demorou 90 dias, ela já estava trabalhando próximo ao gabinete da gerência, subindo dois degraus na profissão; o Gerentão ficou sabendo que ela parou de fumar porque não poderia perder o emprego, pois, tinha filho para cuidar e prestações para honrar; ela foi premiada pelo seu esforço e determinação.

N.B. Cada pessoa procurará adaptar-se à sua maneira de vida, das condições ambientais, físicas e psíquicas procurando não sair muito do ritmo e do processo do auto-tratamento.

Uma coisa eu estou convicto: Será muito mais difícil alguém morrer de doenças pulmonares ou ter um AVC se fizer o auto-tratamento.

Veja algumas doenças que você vai prevenir quando parar de fumar:

Até 25% das mortes por angina e infarto do miocárdio, cerca de 90% dos casos de câncer no pulmão, aproximadamente 25% das doenças vasculares “entre elas, derrame cerebral” e 30% das mortes decorrentes de outros tipos de câncer de boca, laringe, faringe, esôfago, estômago, pâncreas, fígado, rim, bexiga, colo de útero, leucemia.

Se isso não bastasse há doenças que podem ter seu risco de ocorrência aumentado devido o vicio do cigarro e seus parceiros; destacam-se: Hipertensão, aneurismas arteriais, úlcera do aparelho digestivo, infecções respiratórias, trombose vascular, osteoporose, catarata, impotência sexual no homem, infertilidade na mulher, menopausa precoce, complicações na gravidez etc.

 

( Por /J.Coutinho:.)

__________________________________________________________________________________

Cine Jupter Penha

 

Penha Pálace

Cine Penha Príncipe

Esta foto é bem antiga, deve ter sido tirada por volta do dos anos 1962/64;  aqui a Volkswagen ainda não havia tomado conta da cidade, mas já começara a  fazer sucesso, os mais pobres não conseguiam comprar porque os mais abastado cortavam a fila e exibiam o novo carro pra galera.

       ___________________________________________________________________________

Compartilhar

Sobre o Autor

admin

(0) Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*



Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>