Educação Slideshow — 29 janeiro 2013

Édipo derrota a Esfinge que aterrorizava Tebas…

Édipo (em grego antigo Οἰδίπους, transl. Oidípous) é um personagem da mitologia grega. Famoso por matar o pai e casar-se com a própria mãe. Filho de Laio e de Jocasta, pai de Etéocles, Ismênia, Antígona e de Polinice.Segundo a lenda grega, Laio, o rei de Tebas havia sido alertado pelo Oráculo de Delfos que uma maldição iria se concretizar: seu próprio filho o mataria e que este filho se casaria com a própria mãe.

Por tal motivo, ao nascer Édipo, Laio abandonou-o no monte Citerão pregando um prego em cada pé para tentar matá-lo. O menino foi recolhido mais tarde por um pastor e batizado como “Edipodos”, o de “pés-furados”, Édipo  foi adotado por Polibo  rei de Corinto e sua mulher Mereope, eles ficaram felizes porque não tinham filhos. O menino crescia sob os olhares e questionamentos da pessoas… de quem ele é filho?  Édipo era insultado, diziam-lhe ” Você não é filho legitimo de Polibo” procurando a sua identidade, ele partiu para Delfos, ao encontro do Oraculo.  Édipo consulta o Oráculo que lhe dá a mesma previsão dada a Laio, que mataria seu pai e desposaria sua mãe.  Achando se tratar de ser seus pais adotivos, foge de Corinto, e sem destino pega a estrada para Tebas.

No caminho, Édipo encontrou um homem afoito em sua carruagem que lhe pedia passagem, Édipo que cresceu num palácio, não deu atenção, ao uma outra pessoa que lhe ameaçava com gestos de superioridade e, sem saber que era o seu pai, brigou com ele e o matou, pois Laio o mandou sair de sua frente.

Chegando em Tebas as  pessoas alertaram sobre um monstro que aterrorizava Tebas, que lançara um desafio, e quem não adivinhasse o Enigma era devorado pelo monstro. o destemido Édipo vai ao encontro do monstro que lança o desafio:  (a Esfinge, de Tebas;  tem cabeça e busto de mulher, corpo de leão e asa de águia, e cauda de serpente) ”Qual é o animal que tem quatro patas de manhã, duas ao meio-dia e três à noite ? ”  Édipo sem vacilar conseguiu desvendar, dizendo que era o homem. “O amanhecer é a criança engatinhando, ao  entardecer é a fase adulta, que usamos ambas as pernas, e o anoitecer é a velhice quando se usa a bengala”.  A Esfinge derrotada urra, dar gritos aterrorizantes e se auto-devora.

Tebas está livre do monstro e Édipo é festejado   ele sem saber voltou à Terra Natal  e o povo o consagrou como Rei, dando-lhe a Rainha Jocasta como esposa,  casou-se, “por acaso”, (já que ele pensava que aqueles que o haviam criado eram seus pais biológicos) com sua mãe, com quem teve quatro filhos.  a felicidade em Tebas foi breve;  por ocasião de uma peste,  Jocasta e Édipo voltaram para o Oraculo de Delfos e descobrem que eram  mãe e filho;  ela comete suicídio e ele fura os próprios olhos por ter estado cego e não ter reconhecido a própria mãe.

Após sair do palácio, Édipo é avisado pelo Corifeu que não é mais rei de Tebas; Creonte ocupara o trono, desde então. Édipo pede para ser exilado, mandado embora. Pede, ainda, para que Creonte cuide das suas duas filhas como se fossem suas próprias.

A história está recolhida em Édipo Rei e Édipo em Colono de Sófocles. Vários escritores retomaram o tema, que também inspirou Igor Stravinsky para a composição de um oratório, o tema também foi abordado na música “The End”, da banda estadunidense The Doors.

Outros sentidos. Ambiguidade. Palavras que permeiam toda a obra de Édipo e quando Jocasta (sua esposa e mãe) diz, no verso 939 “Tem senso duplo o teu dizer”, podemos tirar a frase do contexto e coloca-la sobre todo o livro de Édipo. “tem senso duplo o teu dizer”. A começar pelo título, que possui no mínimo três significados “pés inchados”, “o duplo” e “o que sabe sobre os pés”. Usando a própria Jocasta vemos esse duplo sentido retratado a todo instante em Édipo, afinal, ela é mãe e esposa do personagem principal. Que por sua vez é irmão, pai e avô de seus filhos. Édipo também é rei de todas as maneiras viáveis: por direito hereditário, por ter assassinado o rei e por ter decifrado o enigma da esfinge. E finalmente, no júri que Édipo cria ele assume todas as posições, desde juiz até réu condenado.

E só então, depois de condenar-se e furar os próprios olhos, ter a mãe (e mulher) cometido suicídio, Édipo abandona, na cena final, a sua hamartía. Quando é proibido de levar suas filhas consigo, ele percebe que nada pode fazer e parte como um ser aquém do humano. Ao partir deixa uma mensagem clara ao público: o poder faz mal. Portanto, não tentem usufruir dele. Em uma mensagem curta e direta daquilo que é conhecido por “caráter modalizador” (comum nas obras gregas).

 Todo homem tem o sagrado direito de saber a verdade ! (Budè)

Édipo é criado e educado por Pólibo e Mérope,

Wik.-Mitol./Edit./J.Coutinho

Compartilhar

Sobre o Autor

admin

(0) Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*



Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>