Educação Forças Armadas Política — 17 fevereiro 2013

                                                  

Taj Mahal é um mausoléu situado em Agra, uma cidade da Índia e o mais conhecido monumentos do país. Encontra-se classificado pela UNESCO como Património da Humanidade.

Após a dissolução da Índia Britânica em 1947, duas novas nações soberanas foram formadas; a União da Índia e o Domínio do Paquistão.

A partição subseqüente da antiga Índia Britânica deslocou até 12,5 milhões de pessoas, com estimativas de perda de vidas humanas variando entre algumas centenas de milhares a um milhão.

A Índia emergiu como uma nação secular, com uma população de maioria hindu e uma grande minoria muçulmana, enquanto que o Paquistão foi estabelecido como uma república islâmica, com uma população esmagadora de maioria muçulmana. Essa duas nações nunca viveram em paz, alem de terem que administrar problemas como; extrema pobres, uma população imensa, ficam a merce de jogos de guerras das nações ”mui amigas” , a Índia obtém artefatos nucleares, o Paquistão coragem e apoio de grupos fundamentalistas, e a violência continua. 

A essência dessa violência na região,  reside na intolerância religiosa de hindus e muçulmanos, que existe desde antes da independência do território da Coroa Britânica, em 1947. Os conflitos internos eram tão graves que, com a autonomia política, duas nações tiveram de ser concebidas: a Índia, Estado laico de maioria hindu, hoje com  aproximadamente 1,3  bilhão de habitantes, e o Paquistão, Estado muçulmano com cerca de  180 milhões.

fronteira é a linha que limita os territórios da Índia e do Paquistão, estabelecida aquando da independência dos dois estados a partir do Raj Britânico, em 1947. As relações entre os dois estados são muito tensas e a passagem na fronteira de pessoas e bens é estritamente limitada. A principal fonte desta discórdia relaciona-se com a questão de Caxemira: nesta região, não há consenso sobre o traçado da linha de fronteira.

Em Caxemira o traçado da fronteira está por definir. A Índia reclama soberania sobre as províncias de Caxemira Livre e Áreas do Norte, atualmente sob controle paquistanês. O Paquistão considera-se soberano sobre a zona do glaciar de Siachen, controlado pela Índia desde o conflito de Siachen em 1984. A região não tem nenhuma fronteira no sentido internacional, mas apenas uma linha de cessar-fogo, a Line of Control, limite das posições militares aquando do fim da Primeira Guerra Indo-paquistanesa em 1949. Esta linha de controle está materializada na quase totalidade do seu traçado por uma fileira dupla de arame farpado rodeado por campos minados.   As escaramuças entre os dois exércitos são regulares.

O resto da fronteira, denominada (Fronteira Internacional), está fortemente demarcado. Só existe um ponto de passagem terrestre entre os dois países, em Wagah, no caminho entre Amritsar, na Índia, e Lahore, no Paquistão. Neste ponto exibem-se todos os dias os guardas fronteiriços dos dois países num ritual que atrai multidões e no qual procedem a movimentações coordenadas antes do fecho dos portões.

A essência da violência na região reside na intolerância religiosa de hindus e muçulmanos, que existe desde antes da independência do território da Coroa Britânica, em 1947. Os conflitos internos eram tão graves que, com a autonomia política, duas nações tiveram de ser concebidas: a Índia, Estado laico de maioria hindu, hoje com  aproximadamente 1,3  bilhão de habitantes, e o Paquistão, Estado muçulmano com cerca de  180 milhões.

Fronteira entre Índia e Paquistão é tão brilhante que pode ser vista do espaço

Foto tirada por astronautas da Estação Espacial Internacional mostra forte brilho alaranjado na linha que demarca os dois países

Brilho alaranjada é devido aos postes de iluminação instalados ao longo da fronteira

A Nasa divulgou uma foto tirada por astronautas da Estação Espacial Internacional (ISS, em inglês), que mostra claramente a fronteira entre a Índia e o Paquistão.

Apesar de bonita, a imagem é um retrato do mundo violento e conturbado em que vivemos. O forte brilho alaranjada da linha fronteiriça é devido aos postes de iluminação instalados pelo governo indiano para combater o tráfico de armas e o contrabando.

As relações entre os dois países são muito tensas e a passagem na fronteira de pessoas e bens é estritamente limitada.

Desde 2003, a Índia vem aumentando o número de holofotes ao longo da fronteira. Até o momento, foram instalados postes de iluminação em 1.861 km dos 2.900 km de linha que demarca a Índia e o Paquistão.

A imagem, tirada em 21 de agosto e divulgada no domingo passado, também mostra os focos de luz da cidade Nova Délhi em cima e no centro.

As relações entre Índia e Paquistão têm sido prejudicadas por uma série de questões históricas e políticas, e são definidas pela violenta partição da Índia Britânica em 1947, a disputa na Caxemira e os numerosos conflitos militares travados entre as duas nações.[1] Conseqüentemente, embora as duas nações do Sul da Ásia compartilhem laços históricos, culturais, geográficos e econômicos, as relações entre ambos têm sido marcadas por uma grande hostilidade e desconfiança.[2]

Desde sua independência, os dois países já travaram três guerras, uma guerra não declarada e estiveram envolvidos em vários conflitos armados e impasses militares. A disputa da Caxemira é o principal ponto central de todos esses conflitos, com a exceção da Guerra Indo-Paquistanesa

Os ataques de 2008 em Mumbai foram um episódio de natureza gravíssima nas relações entre indianos e paquistaneses, onde 11 tiroteios e atentados à bomba coordenados em Bombaim, a maior cidade da Índia, foram realizados por militantes islâmicos que supostamente teriam vindo do Paquistão. Os agressores teriam recebido assistência de reconhecimento antes dos ataques. Ajmal Kasab, o único terrorista capturado vivo, afirmou em interrogatório que os ataques foram realizados com o apoio do ISI do Paquistão ( mais conhecido como Inter-Services Intelligence ou ISI) Os ataques, que atraíram a condenação mundial generalizada, começaram em 26 de novembro e duraram até 29 de novembro de 2008, matando 164 pessoas e ferindo pelo menos 30.

Edit./J.Couinho

Mid;/Edit. J.Coutinho



 

Incorp.P/J.Coutinho

Compartilhar

Sobre o Autor

admin

(0) Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*



Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>