Artes Educação Slideshow — 06 outubro 2013
A Insignificância do homem e a importância da morte:

(Por/J.Coutinho)

Os aedos faziam grandes sucessos contando as famosas “tragedias e comédias”, narrando-as com tanta autenticidade que o mito se tornava verdadeiro.

O povo grego  se pegavam à essas historias e nela se encontravam; inclusive, por não conhecerem Deus da maneira como conhecemos atualmente. O mais célebre dos aedos é Homero, ele teria nascido em Esmirna, na Ásia menor, atual Turquia, ou em alguma ilha do mar Egeu e vivido no século 8 a.C. Mas muitos estudiosos modernos não encontraram nenhuma evidencia cabal sobre sua verdadeira origem. Até hoje há controversa que oito cidades disputam a honra de terem sido a terra natal do poeta.

Sófocles (Sophocles 497 a.C – 406 a.C) juntamente com  Ésquilo e Eurípides, estão entre os maiores escritores gregos; a Tragédia de “Édipo O Rei” é uma obra prima de Sófocles.

Sófocles nasceu em Colono, cidade perto de Atenas sob o governo de Péricles no período áureo da Grécia, filho de mercador e fazia parte de classe elevada. Édipo, o rei, é uma tragédia escrita por esse extraordinário filosofo, cuja filosofia pode ser expressa nas seguintes palavras:

                 

 “Conheça a si próprio e verás que a única coisa que você sabe é que você nada sabe“ 

Sófocles ou Sophocles

Neste trabalho ele afirma que todos nós em pequena ou grande proporção já provamos amargura da derrota e que ninguém da raça humana (mortal) deve ser chamado feliz antes de cruzar a fronteira da vida, onde pode estar livre de dor.

Esta tragédia é uma imitação de uma ação que é séria e tem também grandeza completa em si próprio. É escrita em forma dramática e não narrativa, com incidentes que despertam medo e piedade e são descritas com emoção e magnitude.

A tragédia dá ênfase à insignificância do homem e a importância da morte, a qual é descrita como um sono pacífico nem mesmo perturbado por sonhos e assim não é um mal para os humanos, porém um prêmio para suas atribuições e provações terrenas.

Nela o homem é mostrado nobre ou enobrecido pelos seus sofrimentos, posto que, esses sofrimentos sejam devidos a sua insignificância quando oposto às forças da sorte e do destino.

O que se pode perceber facilmente dede o começo é como “Édipo o rei” dá a impressão de tremenda densidade. É construída com tal economia que não parece existir palavra supérfula nela.

 

Esfinge de Tebas

Édipo o personagem central da peça, consulta o Oráculo de Delfos  (Oráculo dedicado a Apolo)  o qual o avisou  que ele mataria seu pai e casar com sua mãe.

A fim de evitar seu destino, Édipo saiu de Corinto e foi para Tebas, cumprindo desta forma a profecia.

Parte do orgulho de Édipo é devido à descoberta de si próprio e parte por ter resolvido o enigma da Esfinge: “Decifra-me ou devoro-te”. Foi por causa desta façanha que os tebanos fizeram-no rei de Tebas.

Segundo a lenda o enigma era:

Que é que tem quatro pés de manhã, dois pés de tarde e três pés de noite? “Decifra-me ou devoro-te”

 os tebanos tinham que adivinhar, e quando eles falhavam a Esfinge levava-os e devorava-os.

Édipo adivinhou corretamente o enigma. Disse Édipo: É o homem, porque quando criança engatinha com pés e mãos quando adulto, caminha ereto, e o velho ajuda seu passo com uma bengala.

A Esfinge deu gritos de HORROR  e a montanha estremeceu, fumaça de cores cascalhos rolaram da montanha abaixo, enquanto a Esfinge se auto-devora…

 Esta peça “Édipo o Rei” para ser melhor entendida, o leitor  deve se instruir com mais propriedades nos escritos de “Oraculo de Delfos” onde o Laio, Rei de Tebas manda furar os pés de seu filho Édipo (pés furados)…

 (Por/J.Coutinho)

 - Trechos literário, Grécia antiga.

(Por/J.Coutinho)

 

(Por/J.Coutinho)

 

 

 

 

 

Compartilhar

Sobre o Autor

admin

(0) Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*



Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>