Forças Armadas Política — 24 março 2013

O novo CMN será o oitavo comando do Exército brasileiro, terá sede em Belém do Pará,

Exército Brasileiro

Brasília – DF: A presidente Dilma Rousseff autorizou a criação do Comando Militar do Norte, que abrangerá os Estados do Pará, Maranhão e Amapá, a partir da separação do Comando Militar da Amazônia (CMA).

A decisão é estratégica e faz parte do processo de expansão da presença do Estado brasileiro na linha de fronteira menos povoada no norte do País e, de uma maneira geral, no “continente” amazônico.
O novo CMN será o oitavo comando do Exército, com sede em Belém do Pará, e ocupará uma área de cerca de 1,722 milhão de quilômetros quadrados, território correspondente a 42% do tamanho do atual Comando Militar da Amazônia.

Localizado na Amazônia Oriental, o novo comando é defendido pelos militares por ter características completamente diferentes da Amazônia Ocidental. De início, contará com dez mil homens. Mas, dentro da estratégia de ocupação da região, uma nova Brigada de Infantaria de Selva, em Macapá, a ser batizada de Brigada da Foz, será construída e irá reforçar a região com cerca mais de  quatro mil homens. O CMA dispõe hoje de 27 mil soldados e com a divisão passará a 17 mil, embora o deslocamento de novas unidades para a Amazônia já estejam previstas, para reforçar a área de fronteira. O Estado do Maranhão, que pertencia ao Comando Militar do Nordeste, integra agora o Comando do Norte.

Considerado prioritário pelo Exército, o Comando da Amazônia vai cuidar de 9.358 quilômetros de fronteira – ele perdeu 1.890 quilômetros para o novo comando do Norte.

Diferenças; Para demonstrar a diferença de vocação entre as áreas oriental e ocidental da região e a necessidade de dividi-las, o Exército menciona que, na ocidental, as tropas do Exército são constantemente empregadas no combate a delitos transfronteiriços como o narcotráfico, o contrabando e os crimes ambientais, dentre outros. Por isso, a preparação de seus soldados é voltada, principalmente, à vigilância das fronteiras terrestres.

Já na área Oriental da Amazônia, onde o Comando do Norte será criado, as tropas têm sido empregadas normalmente em ações de Garantia da Lei e da Ordem, com enfoque à proteção de infraestruturas estratégicas, combate à exploração ilegal de recursos naturais e conflitos sociais. O Pará, por exemplo, tem extensas áreas de garimpo onde os conflitos são constantes. O Estado possui também extensas áreas onde florestas são frequentemente devastadas. O novo comando cuidará das menos habitadas e menos problemáticas fronteiras com as três Guianas: Suriname (ex-holandesa), Guiana (inglesa) e Guiana Francesa.

15 º General 4 estrela. O general-de-Exército Eduardo Villas Bôas continuará à frente do Comando Militar da Amazônia, em Manaus. O general Osvaldo de Jesus Ferreira, que receberá a quarta estrela no dia 31 de março, ficará à frente do novo comando do Norte. O decreto assinado pela presidenta Dilma, no dia 7 de março, abrindo as portas para a criação do comando do Norte, na verdade, apenas fixou o novo efetivo da Força Terrestre, criando mais uma vaga de general de Exército, a ser ocupada pelo novo comandante militar do Norte. Agora, o Exército que tinha 14 generais “quatro estrelas”, passa a ter 15. No total, a Força passa a ter 147 oficiais-generais, com a criação de outras sete vagas, sendo duas de generais de divisão e cinco de general de brigada. O efetivo do Exército em 2013 passa a ser de 222 mil 596 homens.

Já era hora de lembrar da Região Norte, a Amazônia Legal, continua sendo “terra de ninguém” confiamos em nosso Exército, porém é muita fronteira pra poucas armas….

Edit./J.Coutinho





Edit./J.coutinho

J.Coutinho

Compartilhar

Sobre o Autor

admin

(0) Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*



Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>